terça-feira, 2 de outubro de 2018

Quincy Jones, o Midas da música

Gênio, talentoso, visionário, multifacetado.....o número de adjetivos que Quincy Jones poderia receber ocuparia uma boa parte deste texto.

Aos 85 anos, completados no dia 14 de março de 2018, Q, como também é chamado, tem um currículo tão rico e tão diversificado que o fez ser uma unanimidade dentro da indústria da música.

Arranjador, produtor musical, compositor e empresário. Essas são algumas de suas facetas. Após seis décadas de carreira, Quincy tem momentos marcantes, como no início de sua jornada, aos 18 anos, na orquestra do vibrafonista Lionel Hampton, na década de 1950, a parceria com Frank Sinatra e Count Basie, na década de 1960, a produção dos discos Off The Wall, Thriller e Bad, de Michael Jackson, na década de 1980, e o papel central na produção da música "We Are The World", em 1985.

Quincy trabalhou com Ella Fitzgerald, Duke Ellington, Ray Charles, Count Basie, Dinah Washington, Dizzy Gillespie, Frank Sinatra e Michael Jackson. Foi responsável pela ascensão da apresentadora Oprah Winter - escalada por ele para trabalhar no filme A Cor Púrpura - e Will Smith, também recrutado por ele para o seriado Um Maluco no Pedaço, produzido por Quincy.


Jackson e Quincy na cerimônia do Grammy, em 1984, quando ganharam 8 prêmios

Ao todo, ele foi indicado 79 vezes ao Grammy, e levou 27, entre eles três como produtor do ano. Em 1991, apenas com o disco Back on the Block , que trazia uma fusão entre novos artistas de r&b (Siedah Garrett, Kool Moe Dee, Tevin Campbell e Take 6) e ícones do jazz (Ella Fitzgrald, Sarah Vaughan, Dizzy Gillespie, George Benson, herbie Hancock e Ray Charles), levou 7 gramofones dourados. A mesma fórmula foi usada no disco Q's Jook Joint, de 1995.

Quincy também ganhou dois Grammy com canções de Ivan Lins. Em 1982, como melhor arranjo instrumental para a música "Velas", do disco Dude, e em 1982, na mesma categoria, com o tema Dinorah, Dinorah, do disco Give Me The Night, do guitarrista George Benson.

A empresa de Quincy é a representante de Ivan Lins nos Estados Unidos, e um dos principais responsáveis de levar a música do brasileiro para o exterior. Graças a essa parceria, Lins é o segundo artista brasileiro mais gravador fora do país. Tom Jobim é o primeiro.

Em 1993, Quincy lançou a revista Vibe. A publicação foi o principal veículo para os artistas negros da década de 1990, em especial os rappers. Jay-Z, Tupac, Lauryn Hill, LL Cool J, Alicia Keys e Snoop Dogg foram alguns dos artistas que estamparam a capa da revista.


Quincy ao lado dos mais importantes prêmios que recebeu em sua carreira

Em 2001, Quincy foi homenageado com o The Kennedy Center Honors, prêmio oferecido pelo governo dos Estados Unidos a artistas com uma longa carreira. Na ocasião, Ray Charles e Stevie Wonder se encontraram no palco para cantar "Let The Good Times Roll". Charles também interpretou "My Buddy", levando Quincy às lágrimas. Veja vídeo abaixo.

Após um longo hiato, Quincy volta à cena em 2018 - ano em que completou 85 anos - com o documentário Quincy, dirigido pela filha do músico, Rashida Jones, em parceria com a Netflix. O filme passa a limpo a vida do produtor - incluindo seus casamentos, sua grave doença e suas parcerias com Sinatra e Jackson -, e ainda traz belos momentos de sua intimidade em família. Veja o trailer abaixo.

Ele também será homenageado pelo canal de TV BET, em dezembro de 2018. O especial, gravado em 25 de setembro, em Los Angeles(EUA), traz nomes como Stevie Wonder, Jennifer Hudson, John Legend e Gloria Estefan.









Nenhum comentário:

Postar um comentário